quarta-feira, 10 de maio de 2017

NOVA OCUPAÇÃO



sobre notícia publicada há tempos na imprensa brasileira

Descido já do trono onde pousou
como um galo vistoso em temporada
de ração gorda, D. Joaquim logrou,
depois de aposentado, outra barbada:

dar palestras a preço inflacionário
para quem, tendo em mãos "ouro" de sobra,
acha excelência em tão incrível obra
e quer aprender logo o receituário.

Voltou à vida! — o bravo, promovido
pela energia nova do tostão,
que há de levá-lo à lua, decidido,

no foguetinho da ética veloz:
duro peixe apregoado à multidão
como do crime e do malfeito — algoz.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

SAÚDE PÚBLICA



Gilmar proíbe PF de ‘surpreender’ Aécio
(Notícia do Estadão)

Não sei se ele é cardíaco, mas penso
que o Gilmar tem razão nesse quesito.
E, afinal, nada vejo de esquisito
em cuidar de um compadre, se hipertenso,

tratando, pois, de resguardá-lo assim
e de impedir que a coisa degringole
para acidente grave ou que se enrole
a meada, sem jamais chegar ao fim.

No mais, não faço ideia da matéria
que tal pança acumula — questão séria,
da qual pende o futuro da República.

Digo que não dar sustos ao paciente
não é exercício, só, benevolente,
mas medida — crucial — de saúde pública.

quinta-feira, 27 de abril de 2017


BONECO DE PAPEL



Ao contrário do Lula, ganhei dinheiro trabalhando.
(João Doria Jr.)

Somente a gabolice do playboy
já encheria umas vinte caçarolas,
sobrando o jogo de trocar as bolas
e as tretas do “meu-pai-foi-rei-não-foi”.

Vestir-se de pedreiro, de gari,
de padre, de bufão, de escafandrista,
de gueixa (caso quadre a tal artista),
não há de melhorar seu pedigree.

Se, como disse o Lula, em vez do afã
de produzir espanto noite e dia,
pusesse mais os glúteos na cadeira

para a qual foi eleito (à brasileira),
valeria um arroto esse Tarzan,
e o contribuinte lhe agradeceria.

(Incluído em Indigestos e purgativos, 2ª edição)

segunda-feira, 24 de abril de 2017

PRURIDO



Ao menos 13 políticos da lista de Fachin foram às ruas ‘contra a corrupção’
(Uol Notícias)

Se fores à honradíssima passeata,
toma conta do bolso e da carteira
e não exponhas de qualquer maneira
a tua joia, mesmo que de lata.

Se fores à amaríssima passeata
esconde a tua moeda na algibeira,
guarda o colar, o brinco ou a pulseira
e o teu topázio de nefelibata!

Protege bem a chave do teu carro
e o bom santinho (embora de pau oco),
e o outro, de ouro (que tem os pés de barro).

Guarda-os. E vai às ruas externar
essa ansiedade que te dá sufoco
e esse prurido que te faz coçar.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

SEGUNDA EDIÇÃO AUMENTADA



Lançada em formato digital a segunda edição, acrescida de 24 sonetos, do livro Indigestos e Purgativos. O golpe não vai a parte alguma, mas a literatura engorda.

Para baixar gratuitamente, clique aqui.

quarta-feira, 29 de março de 2017

PELÍCULA



PF admite que fez imagens de Lula em condução coercitiva
(Notícia do Valor Econômico)

Darão crachás aos figurões do escrete
para fazer um filme da “aventura”
que tem sido esse golpe: uma fritura
na qual o ovo Brasil vira omelete —

coisa de quem sabe pintar o sete
ou sabe dar à vida uma tintura,
tornando doce a sua catadura,
na comédia em que a história se repete.

Poderia ser filme de fantasma
ou talvez pastelão do preto-e-branco,
com que a terceira idade se entusiasma.

Mais importante: a coisa deveria
intitular-se “Vai pegar no tranco!”
(e ter uns toques de pornografia).

(Da série Indigestos e Purgativos — novos poemas. Inédito)

sexta-feira, 24 de março de 2017

INTIMIDADE*



“Em 6 anos, Dilma não conseguiu entregar as obras de transposição do São Francisco. Nós entregamos em seis meses.”
(Wellington Moreira Franco)

Esse Gato Angorá — meu amigão —
parece que só cabe em fôrma larga:
quando menos se espera, dobra a carga,
não sei se por inépcia ou diversão.

Em seis meses, por certo, não faria
nem a rede de esgoto do Alvorada
(onde, vale lembrar, não caberia
metade de sua ânsia desbragada).

Embora diga frases que são bolhas
e saiba abrir um cofre — que ele invade
com muita arte e sublime intimidade,

tem às vezes recaídas de coitado:
tenta abrir portas com um saca-rolhas
ou consertar relógios com um machado.

* Do livro Indigestos e purgativos, nova série. Inédito