domingo, 31 de dezembro de 2017

VADE RETRO!



E muita coisa isso. Me da uns dias que vou fazer contato para que o DD entre nessa negociação
(Mensagem de Whatsapp divulgada por Rodrigo Tacla Duran, advogado da Odebrecht)

Dum-dum, doce de coco, durandina,
disparada de potro, doida peta,
como se um duende desse na buzina
ou Deus jogasse dados com o capeta.

Desando de quem dorme na latrina
depois de um ricto ou diluvial careta,
de um demente que em dobro desatina
num dúbio pas de deux ou carrapeta.

Vade retro! E há quem entre no negócio,
com bênçãos de pastor ou de mandrake
(se não for o Chifrudo o grande sócio)!

Muita coisa! — até mesmo para um craque
que, como eu, no furdunço anda curtido
e em dar pares à dança, destemido!

(Indigestos e purgativos, 3ª série, inédito)

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017


PRESTEZA




(Foto: reptossaurus.blogspot.com.br)

A Justiça brasileira demora 24 anos para prender Maluf, enquanto demora 6 dias para ler 250 mil páginas contra Lula!
(Meme do Facebook)

Leria muito mais e sem preguiça,
pois em questões de urgência é desenvolta
(se o tema a faz coçar); mas corta a volta
e dorme, quando o assunto é só justiça.

Tem no estômago (embora não pareça)
uma espécie de lixa que deglute
facilmente metade de um mamute
(ou outro bicho grande que apareça).

Justiça ou britadeira, ou só martelo,
vê no Brasil um prego, e há de batê-lo
mesmo que a tábua rache fatalmente.

Assim funciona, em terra tropical
a ideia da presteza, judicial,
que aqui, por índole, jamais se mente.


(Indigestos e Purgativos, terceira série)

sábado, 25 de novembro de 2017

Indigestos e Purgativos (2ª série)



Segunda leva de sonetos da série Indigestos e Purgativos, disponível para acesso gratuito em

http://www.arquivors.com/renato_indigestos2.pdf

terça-feira, 24 de outubro de 2017

DENODO



A Lava Jato alcançou grande sucesso (...) quando se limitou a investigar a trama de relações promíscuas instalada na máquina do Estado desde que o PT chegou ao poder.”
(Editorial do Estadão)

Sim, só prestou enquanto, diligente,
perseguiu o inimigo pretendido,
dosando bem a ação “inteligente”,
"sofisticada", e aquém do teu partido.

Agora que o mocinho — adolescente
em coisas de política e aguerrido —
quer lavar com o seu próprio detergente
todo o resto, num surto desabrido,

sais a cuspir, com a ansiedade amarga
de quem não devorou o bolo todo,
a indignação que o esôfago te embarga.

Belo gesto — sublime! — de denodo,
que só não babo com maior louvor
porque agora me falta o escarrador!

(In: Indigestos e purgativos, versão final)

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

COMPOSIÇÃO QUÍMICA




Nem o Conselho Regional de Nutricionistas nem o Ministério Público de São Paulo sabem ao certo a composição do composto alimentar.
(Blog da Cidadania)

Sei do que se compõe essa coisinha:
uma parte é de egoísmo e inconsequência
(mal disfarçados na ilusão da ciência),
e outra de pretensão, que ali cozinha.

Outra parte (conforme se adivinha)
é o tempero da inépcia ou displicência,
que leva de roldão a inteligência,
desidratada em forma de farinha.

A outra parte — expressiva porcentagem —
é, por certo, o pendor à vilanagem,
que não respeita altura nem limite.

E a outra, claro, é o risível atropelo,
que o neologismo oculta e bem permite —
decompondo-o em insípido farelo.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

PASSO A VEZ!




Em Milão, Doria defende alimento reprocessado para mais pobres: ‘É o mesmo dos astronautas’
(UOL Notícias)

Qual há de ser o efeito dessa coisa
para o cérebro, o estômago e o intestino,
mal suponho! Mas sei que outro destino
se reserva a uma treta assim vistosa.

Dar ao pobre, com mão nada amorosa,
como se fosse um biscoitinho fino,
ração que vem de puro desatino
é invenção que me soa tormentosa.

Desisto, passo a vez e já me canso!
E sigo em busca de outro pretendente
para ocupar o cargo em que balanço.

Pois sei que a carestia não é tanta,
nem valor tão mais alto se alevanta,
que justifique agir como um demente!

(In: Indigestos e purgativos, versão final)

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

IMPROVISO DOS 140



Ele acha que pode, que deve,
e vem dizer que cabe e quadra —
não importa qual seja a quadra,
não importa se pode ou deve.
Ele diz o que a boca aventa,
e acelera a cento e quarenta!

Ele pensa que a vida é longa
e que não há nada que a encurte.
E não há tesoura que o encurte
quando na miragem se alonga.
Ele supõe que a mente aguenta,
e passa dos cento e quarenta!

Ele disse que a Previdência
vai explodir a qualquer hora,
e que por isso já está na hora
de implodi-la, por previdência:
disse-o com a pachorra isenta
de quem vai a cento e quarenta!

É por não ter papas na língua,
(embora a tenha destapada)
que diz, com calma destapada,
essas coisas que vêm à língua.
Mas um dia o saco arrebenta,
se desmancha em cento e quarenta!

Mais aqui

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

DE CACHORRO A RABO



Em geral o rabo não abana o cachorro, é o cachorro que abana o rabo.
(Gilmar Mendes, a propósito da concessão de um habeas corpus)

Se algum pudor ele tinha
de ser pau para toda a obra,
não mentiu a vocação
quando — imperdoável galinha
a chocar ovo de cobra —

se sentou, ministro e rei,
levando a coisa ao extremo
(e indo de choco a bufão),
com o seu traseiro supremo,
sobre um projeto de lei.

Nisto ficou ano e meio
o invencível falastrão,
como se o ovo que chocava
contivesse por recheio
um filhote de dragão.

Agora, pelo que entendo,
quer inovar no guisado:
vai, de bocudo a mandrião,
dizer com ar debochado
assuntos que não remendo.

Pretende a cauda abanar
(ou com ela ir se abanando).
Mas nisso acho suspeição,
conforme vou reparando
nesta quadra singular:

pois o que ele tem de rabo
(que mais o alonga que abana),
sob o calor da estação,
é como a língua que o dana:
já o tem preso com o diabo.

Inspirado num poema de Lourival Piligra Júnior

sexta-feira, 18 de agosto de 2017

PRONTIDÃO



A Justiça Federal deferiu pedido liminar do vereador do DEM Alexandre Aleluia e barrou a entrega do título de Doutor Honoris Causa ao ex-presidente Lula (PT), a ser concedido na Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB).
(Notícia do 24/7)

Filho do Missa* foi quem arranjou
ordem assim tão pronta e tão certeira
que, não fosse em comarca brasileira,
se diria: “É uma espinha que estourou,

bomba que algum suicida arremessou!”
Mas não: foi coisa simples, rotineira,
como coar uma areia na peneira;
e disso nenhum santo se queixou.

Tais são, para quem não tem experiência
em coisas de justiça tropical,
os modos de exibir crivo e tenência.

E tais os modos de se defender
em terra pátria a pública moral —
sempre em vias de arder e perecer.

* Alcunha do deputado José Carlos Aleluia, pai do vereador Alexandre Aleluia, na lista de propinas da Odebrecht.

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

VAI DAR M… COM O MICHEL




Vai dar merda com Michel.
(Eduardo Cunha, em mensagem de celular interceptada pela polícia)

O golpe, de vento em popa,
avançava em mar calmoso,
como em suave carrossel;
mas agora, caída a máscara,
vê-se o fundo tormentoso:
vai dar tilte com o Michel!

Eram bichos ainda mansos,
com uma cabeça cada um,
desde o pato à cascavel;
porém agora está claro
qual o bicho desse jogo:
vai dar zebra com o Michel!

Se o Brasil tinha esperança
de aumentar o seu pecúlio
e engordar o seu farnel,
só uma coisa hoje é patente,
e aqui a digo sem orgulho:
vai dar erro com o Michel.

Quando ligada, a tomada
carregava a bateria
e enrolava o carretel;
mas agora, roto o cabo,
surge o enrosco à luz do dia:
vai dar curto com o Michel.

Se com o Collor não deu certo
e com o Sarney deu pior,
(com problemas a granel),
a verdade é transparente –
tome nota, por favor:
vai dar rolo com o Michel!

Quem o diz é o tal de Cunha,
que bem sabe do riscado
e entende bem o papel:
que entre o vento e a tempestade,
entre a procela e o tornado,
vai dar merda com o Michel!

sábado, 5 de agosto de 2017

O CASAMENTO



Agradeço a todos que fizeram parte dessa noite memorável.
(Deputada Maria Vitória, na revista Caras)

Foi de fato um bonito casamento
a que eu teria até comparecido,
não fosse por assuntos impedido
de salvar minha pele em outro evento.

Rico. Mas desandou no encerramento,
sob a tal chuva de ovos, sem partido,
cujo odor estragou o teu vestido,
com o apupo do povo de incremento.

Não sei se isso é o que estás a agradecer,
esse quase omelete que o teu pai
te ajudou, impassível, a bater.

(Em casa certamente teve um troço,
apesar desse arzinho de bom moço
cuja foto na Caras nos distrai.)

Mais aqui

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

TATUADO



Deputado Wladimir Costa tatua no ombro direito inscrição ‘Temer’
(Notícia do G1)

“Locupletar-se” é o termo mais correto
para esta circunstância, tão frequente.
E aqui me ocorre a ideia, procedente,
de lavrar tal assunto num decreto.

Lembrou-me até uma antiga agremiação
japonesa, que disso faz gritante
sinal de compromisso, o mais galante
(e o havemos de imitar noutra ocasião).

Vede: sem que ninguém puxasse a corda,
foi e gravou — por gesto de amizade —
na própria pele o crivo da lealdade.

Tatuou “Temer” num ombro, em letra gorda —
e acho bem, pois cada um faz o que gosta.
(Mas eu em braço meu não gravo “Costa”.)

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

O LEMA



Agenda da Câmara é a do mercado, sustenta Rodrigo Maia
(Valor Econômico)


Isto, sim, considero um grande lema:
esse assunto de feira, de mercado,
de comprar no varejo ou no atacado,
indo ao limite, sem qualquer problema.

O rechonchudo é exímio em dar o tema,
até porque tem baixo eleitorado,
e não teme estragar o seu guisado,
do qual a cara é o mais perfeito emblema.

Dou-lhe uma, dou-lhe duas, dou-lhe todas,
porquanto no balcão onde barganho
tudo são ventos, passageiras modas.

(Exceto para aquele que tatuou –
bravo! – o meu nome no ombro, em bom tamanho,
com tinta permanente, até jurou!)


quarta-feira, 10 de maio de 2017

NOVA OCUPAÇÃO



sobre notícia publicada há tempos na imprensa brasileira

Descido já do trono onde pousou
como um galo vistoso em temporada
de ração gorda, D. Joaquim logrou,
depois de aposentado, outra barbada:

dar palestras a preço inflacionário
para quem, tendo em mãos "ouro" de sobra,
acha excelência em tão incrível obra
e quer aprender logo o receituário.

Voltou à vida! — o bravo, promovido
pela energia nova do tostão,
que há de levá-lo à lua, decidido,

no foguetinho da ética veloz:
duro peixe apregoado à multidão
como do crime e do malfeito — algoz.

segunda-feira, 1 de maio de 2017

SAÚDE PÚBLICA



Gilmar proíbe PF de ‘surpreender’ Aécio
(Notícia do Estadão)

Não sei se ele é cardíaco, mas penso
que o Gilmar tem razão nesse quesito.
E, afinal, nada vejo de esquisito
em cuidar de um compadre, se hipertenso,

tratando, pois, de resguardá-lo assim
e de impedir que a coisa degringole
para acidente grave ou que se enrole
a meada, sem jamais chegar ao fim.

No mais, não faço ideia da matéria
que tal pança acumula — questão séria,
da qual pende o futuro da República.

Digo que não dar sustos ao paciente
não é exercício, só, benevolente,
mas medida — crucial — de saúde pública.

quinta-feira, 27 de abril de 2017


BONECO DE PAPEL



Ao contrário do Lula, ganhei dinheiro trabalhando.
(João Doria Jr.)

Somente a gabolice do playboy
já encheria umas vinte caçarolas,
sobrando o jogo de trocar as bolas
e as tretas do “meu-pai-foi-rei-não-foi”.

Vestir-se de pedreiro, de gari,
de padre, de bufão, de escafandrista,
de gueixa (caso quadre a tal artista),
não há de melhorar seu pedigree.

Se, como disse o Lula, em vez do afã
de produzir espanto noite e dia,
pusesse mais os glúteos na cadeira

para a qual foi eleito (à brasileira),
valeria um arroto esse Tarzan,
e o contribuinte lhe agradeceria.

(Incluído em Indigestos e purgativos, 2ª edição)

segunda-feira, 24 de abril de 2017

PRURIDO



Ao menos 13 políticos da lista de Fachin foram às ruas ‘contra a corrupção’
(Uol Notícias)

Se fores à honradíssima passeata,
toma conta do bolso e da carteira
e não exponhas de qualquer maneira
a tua joia, mesmo que de lata.

Se fores à amaríssima passeata
esconde a tua moeda na algibeira,
guarda o colar, o brinco ou a pulseira
e o teu topázio de nefelibata!

Protege bem a chave do teu carro
e o bom santinho (embora de pau oco),
e o outro, de ouro (que tem os pés de barro).

Guarda-os. E vai às ruas externar
essa ansiedade que te dá sufoco
e esse prurido que te faz coçar.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

SEGUNDA EDIÇÃO AUMENTADA



Lançada em formato digital a segunda edição, acrescida de 24 sonetos, do livro Indigestos e Purgativos. O golpe não vai a parte alguma, mas a literatura engorda.

Para baixar gratuitamente, clique aqui.

quarta-feira, 29 de março de 2017

PELÍCULA



PF admite que fez imagens de Lula em condução coercitiva
(Notícia do Valor Econômico)

Darão crachás aos figurões do escrete
para fazer um filme da “aventura”
que tem sido esse golpe: uma fritura
na qual o ovo Brasil vira omelete —

coisa de quem sabe pintar o sete
ou sabe dar à vida uma tintura,
tornando doce a sua catadura,
na comédia em que a história se repete.

Poderia ser filme de fantasma
ou talvez pastelão do preto-e-branco,
com que a terceira idade se entusiasma.

Mais importante: a coisa deveria
intitular-se “Vai pegar no tranco!”
(e ter uns toques de pornografia).

(Da série Indigestos e Purgativos — novos poemas. Inédito)

sexta-feira, 24 de março de 2017

INTIMIDADE*



“Em 6 anos, Dilma não conseguiu entregar as obras de transposição do São Francisco. Nós entregamos em seis meses.”
(Wellington Moreira Franco)

Esse Gato Angorá — meu amigão —
parece que só cabe em fôrma larga:
quando menos se espera, dobra a carga,
não sei se por inépcia ou diversão.

Em seis meses, por certo, não faria
nem a rede de esgoto do Alvorada
(onde, vale lembrar, não caberia
metade de sua ânsia desbragada).

Embora diga frases que são bolhas
e saiba abrir um cofre — que ele invade
com muita arte e sublime intimidade,

tem às vezes recaídas de coitado:
tenta abrir portas com um saca-rolhas
ou consertar relógios com um machado.

* Do livro Indigestos e purgativos, nova série. Inédito

domingo, 5 de fevereiro de 2017

CONSTRUTOR




Pavimentou com ovos de serpente
essa estrada comprida e desastrosa,
que há de levar a algum inferno quente
(pois não conduz a um éden cor-de-rosa).

Ungiu-a com o veneno dissolvente
da intenção reptiliana, cavilosa,
como um aviso a quem não se contente
e ali se perca em noite tumultuosa.

E, para mor perigo, encompridou-a
até o limite do asco e do futuro,
onde, alto e súbito, um trovão já soa.

Para a queda é que a fez — e sob medida,
pois no abismo termina, inadvertida,
se abrindo ao fim num sorvedouro escuro.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

FAMÍLIA



No dia seguinte, Noblat, que também foi um dos entrevistadores do Roda Viva, publicou um tweet que mais parece um daqueles poemas horrorosos do não-eleito...
(João Filho, no Intercept)

O presidente Putativo,
com dona Bela, a recatada,
e o milionário Miguézinho
passam seu doce feriado
no Palácio do Jaburu.

Nada é mais belo que a família,
nem mais lindo que um feriado,
quando se é tão decorativo
e não há pedras no caminho.
(E o sol brilha forte em Brasília!)

Só mesmo a saúde do Brasil,
e a política do Brasil,
e a economia do Brasil,
e outras coisinhas do Brasil
é que andam feias  pra chuchu!

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

NOVA VERSÃO



Nova versão, atualizada, de Indigestos e Purgativos, com o acréscimo de cinco novos sonetos. Para baixar gratuitamente clique aqui.