terça-feira, 24 de outubro de 2017

DENODO



A Lava Jato alcançou grande sucesso (...) quando se limitou a investigar a trama de relações promíscuas instalada na máquina do Estado desde que o PT chegou ao poder.”
(Editorial do Estadão)

Sim, só prestou enquanto, diligente,
perseguiu o inimigo pretendido,
dosando bem a ação “inteligente”,
"sofisticada", e aquém do teu partido.

Agora que o mocinho — adolescente
em coisas de política e aguerrido —
quer lavar com o seu próprio detergente
todo o resto, num surto desabrido,

sais a cuspir, com a ansiedade amarga
de quem não devorou o bolo todo,
a indignação que o esôfago te embarga.

Belo gesto — sublime! — de denodo,
que só não babo com maior louvor
porque agora me falta o escarrador!

(In: Indigestos e purgativos, versão final)

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

COMPOSIÇÃO QUÍMICA




Nem o Conselho Regional de Nutricionistas nem o Ministério Público de São Paulo sabem ao certo a composição do composto alimentar.
(Blog da Cidadania)

Sei do que se compõe essa coisinha:
uma parte é de egoísmo e inconsequência
(mal disfarçados na ilusão da ciência),
e outra de pretensão, que ali cozinha.

Outra parte (conforme se adivinha)
é o tempero da inépcia ou displicência,
que leva de roldão a inteligência,
desidratada em forma de farinha.

A outra parte — expressiva porcentagem —
é, por certo, o pendor à vilanagem,
que não respeita altura nem limite.

E a outra, claro, é o risível atropelo,
que o neologismo oculta e bem permite —
decompondo-o em insípido farelo.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

PASSO A VEZ!




Em Milão, Doria defende alimento reprocessado para mais pobres: ‘É o mesmo dos astronautas’
(UOL Notícias)

Qual há de ser o efeito dessa coisa
para o cérebro, o estômago e o intestino,
mal suponho! Mas sei que outro destino
se reserva a uma treta assim vistosa.

Dar ao pobre, com mão nada amorosa,
como se fosse um biscoitinho fino,
ração que vem de puro desatino
é invenção que me soa tormentosa.

Desisto, passo a vez e já me canso!
E sigo em busca de outro pretendente
para ocupar o cargo em que balanço.

Pois sei que a carestia não é tanta,
nem valor tão mais alto se alevanta,
que justifique agir como um demente!

(In: Indigestos e purgativos, versão final)

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

IMPROVISO DOS 140



Ele acha que pode, que deve,
e vem dizer que cabe e quadra —
não importa qual seja a quadra,
não importa se pode ou deve.
Ele diz o que a boca aventa,
e acelera a cento e quarenta!

Ele pensa que a vida é longa
e que não há nada que a encurte.
E não há tesoura que o encurte
quando na miragem se alonga.
Ele supõe que a mente aguenta,
e passa dos cento e quarenta!

Ele disse que a Previdência
vai explodir a qualquer hora,
e que por isso já está na hora
de implodi-la, por previdência:
disse-o com a pachorra isenta
de quem vai a cento e quarenta!

É por não ter papas na língua,
(embora a tenha destapada)
que diz, com calma destapada,
essas coisas que vêm à língua.
Mas um dia o saco arrebenta,
se desmancha em cento e quarenta!

Mais aqui